Página Inicial | Património | Igrejas | Igreja Matriz de Torre de Moncorvo
PATRIMÓNIO
Ver mais Igrejas
Igreja Matriz de Torre de Moncorvo
  1. Planta do edifício
  2. Contactos e Coordenadas GPS
  3. Mapa de Localização
  4. Defina o itinerário
  5. Outros monumentos

Torre de Moncorvo

Torre de Moncorvo, burgo promovido a sede de concelho em 1285, pelo rei D. Dinis, era no século XVI uma vila florescente e um centro administrativo da maior importância, facto que propiciou a construção de uma igreja de grandes dimensões, denunciando o secreto desejo de ascensão a sede de diocese. Esta acabaria por ser criada em 1545, mas em Miranda do Douro, no extremo nordeste transmontano, o que deve ter contribuído para a morosidade da construção da matriz de Torre de Moncorvo.

Dedicada a Nossa Senhora da Assunção, terá sido iniciada por volta de 151O, de acordo com um testemunho quinhentista, erguendo-se, já então, extra-muros, no arrabalde da vila e no lugar da igreja medieval de Santa Maria. Dependente sobretudo de financiamentos municipais, a obra arrastou-se por mais de um século, trabalhando-se ainda em 1638 no estaleiro da grande fábrica, demora que não comprometeu, no entanto, a unidade arquitectónica do edifício.

Na fachada, organizada como uma possante torre, ressalta o pânico central, de composição retabular ao estilo da Renascença, com uma minúcia escultórica que contrasta com a simplicidade dos restantes alçados: colocadas em nichos aparecem as imagens em granito da padroeira, Nossa Senhora da Assunção, no topo, ladeada por São Pedro e por São Paulo. A flanquear a porta estão Santa Bárbara e Santa Apolónia. Não se conhece o autor da traça da igreja, apenas a referência do mestre pedreiro João Martins que, em 1559, acompanhava a obra, embora as características do pórtico o aparentem com edifícios contemporâneos...

[Continua...]

[Continuação...]

...tradicionalmente atribuídos a Frei Julião Romero, designadamente as igrejas de São Gonçalo de Amarante e de São Domingos de Viana do Castelo.

Tanto o aspecto compacto do exterior, de alçados ritmados por pesados contrafortes, como certos pormenores decorativos, com destaque para as gárgulas monstruosas que irrompem da cornija, revelam um gosto de inspiração medieval, mas a abertura progressiva a novas linguagens artísticas adivinha-se no recorte clássico dos vãos que iluminam as naves e na figuração escultórica de putti que povoa a cimalha da cabeceira. Do mesmo estilo apresentam-se também as duas portas laterais, datadas respectivamente de 1566 e 1567. O portal sul foi, posteriormente., coberto por um alpendre, talvez ligado a práticas de devoção ou utilizado como abrigo para peregrinos. Também na parte inferior do vão da entrada podemos admirar uma abóbada em arco abatido, dividida em caixotões, de estilo renascentista, denotando um desenho clássico de rara elegância e rigor.

O interior da igreja segue uma tendência comum da época para a concepção de espaços unitários, as chamadas igrejas-salão, de três naves à mesma altura, separadas por imP9nentes colunas toscanas, das quais saem redes de nervuras que, abrindo-se como ramos de palmeira, sustentam uma abóbada de alvenaria de tijolo. A iluminação interna espalha-se com tendencial uniformidade a partir das janelas.

Na capela-mor pode ser admirado o grandioso retábulo de talha barroca da autoria do mestre bracarense Jacinto da Silva, que o executou entre 1752 e 1754, cujo desenho exprime bem a qualidade cenográfica do estilo barroco, na sua versão mais esplendorosa ainda herdeira dos faustos da época de D. João V, com as suas colunas salomónicas enquadrando a tribuna, anjos alados nos remates e o habitual repertório ornamental naturalista de motivos vegetalistas e concheados. As pinturas murais da capela-mor, já ao gosto rococó, devem-se ao pintor Francisco Bernardo Alves, que as executou em 1779.
Nos absidíolos da cabeceira observam-se igualmente apreciáveis conjuntos de talha: à mão direita da capela-mor (lado do Evangelho), na Capela das Chagas, um retábulo barroco de "estilo nacional", modificado por acrescentos rococó; à esquerda (lado da Epístola), a Capela do Senhor ou do Santíssimo Sacramento, um interessante retábulo maneirista, em madeira, revelando um trabalho escultórico ingénuo mas imaginativo, talvez obra de um artista local. De recorte mais erudito é o magnifico sacrário por ele enquadrado, também do mesmo estilo. O conjunto encontra-se resguardado por um gradeamento de ferro forjado, datado de 1631. 

Também do século XVII é o retábulo da sacristia, o qual se encontrava antes no corpo da igreja. Os restantes altares são do século XVIII, tal como o imponente órgão que está no coro alto.

A mais notável jóia de arte sacra que guarda a Matriz de Torre de Moncorvo é um tríptico tardo-gótico, representando vários passos da vida de Santa Ana. Executado em Antuérpia, por volta de 1500, apresenta figuras em baixo-relevo, polícromas, denotando a qualidade artística das oficinas do Norte da Europa, nesta época, a extraordinária divulgação das formas flamengas e a correspondente difusão de uma nova atitude devocional, mais individualizada.

Nelson Campos

Lat.: N41.173667
Long.: W7.053003

 
Para calcular o trajecto a partir da sua localização actual, insira um Ponto de Partida (Uma cidade ou nome de uma rua) no seguinte formulário, e escolha a opção 'Mostrar Trajecto'.
Será apresentada uma proposta de trajecto tendo como Ponto de Partida a localização que inseriu até Igreja Matriz de Torre de Moncorvo  (Lat.: N41.173667 | Long.: W7.053003).
Nota: Os tempos de deslocação apresentados servem apenas de referência, e partindo do pressuposto que utiliza um veículo automóvel, e que são cumpridas as velocidades máximas impostas por lei.
Igrejas - Outros monumentos disponíveis
Miranda do Douro
Sé de Miranda do Douro
As obras de construção da nova catedral iniciaram-se em 24 de Maio de 1552, com uma cerimónia solene, e durariam quase meio século, até à sua conclusão no final do... [+]
Igreja Matriz de Freixo de Espada à Cinta
A igreja matriz da vila raiana de Freixo de Espada à Cinta, pela sua localização geográfica e pelo carácter ambicioso do projecto, pode eleger-se como um dos exemplares mais expressivos... [+]
Igreja de Vila Nova de Foz Côa
Igreja de Vimioso
Actividades
Rota dos castelos por terras mirandesas
Neste roteiro é sugerido um passeio que liga 4 castelos do planalto mirandês no qual o visitante pode a...
Links
© 2017. Governo de Portugal - Secretário de Estado da Cultura